Como melhorar a estratégia nos buscadores por voz?

Buscadores por voz são recursos que não podem mais ser ignorados nas estratégias de marketing digital. Os brasileiros – e pessoas do mundo todo – estão cada vez mais conectados a dispositivos móveis do que a computadores pessoais, o que aumenta consideravelmente as pesquisas pelos buscadores e assistentes virtuais.

Os voice search existem desde os anos 90, porém, somente agora na década de 2010 popularizam-se no Brasil e em outros países. Atualmente, saber como esses mecanismos estão alterando o modo de pensar em estratégias digitais e como melhorá-los é fundamental para desenvolver um planejamento de sucesso.

Por que buscadores por voz alteram as estratégias?

Os especialistas em marketing precisam lembrar, com prioridade, que as pessoas falam e escrevem de maneiras distintas. De modo incontestável, a forma de falar é mais informal do que o modo de escrever. Portanto, os textos para serem encontrados em buscadores por voz devem apresentar linguagem diferente da habitual, com expressões mais coloquiais e pensadas para atingir os internautas que utilizam a fala para pesquisar.

Como melhorar a estratégia

O alcance orgânico continua sendo o foco dos maiores estrategistas do marketing digital. Para atingir tal objetivo, é essencial manter presença digital constante e produzir conteúdo rico. Priorizar qualidade e diversidade do material disponibilizado garantem a boa audiência, assim como aumentam as possibilidades de conquistar leads.

As grandes mudanças que acontecem com os buscadores por voz ganhando espaço entre os internautas é a forma como o conteúdo é oferecido, como também a maneira de se conectar ao consumidor.

Conheça os principais fatores que devem ser levados em conta para melhorar a estratégia de marketing digital direcionada aos buscadores por voz:

SEO humanizado

Os assistentes pessoais tem sido o grande investimento de grandes empresas como o Google, exatamente por alterarem a forma como os usuários lidam com seus smartphones. Os aparelhos móveis são utilizados como auxiliares para a maioria das tarefas cotidianas, o que resulta na evidente humanização desses dispositivos.

Os buscadores por voz, por sua vez, são mais uma das ferramentas que o usuário espera que lhe seja satisfatória em funções simples, como encontrar um lugar ou o meio de transporte mais acessível. Por isso, as estratégias de SEO precisam ser executadas com base no internauta que tem no smartphone. Um apoio quase humano e não apenas como um computador.

O SEO em páginas deve ser trabalhado, portanto, para responder a questionamentos como “o que”, “onde”, “quem”, “como” e outros que se assemelhem à fala e não somente à escrita. Tais perguntas já são realizadas via digitação, mas são muito mais recorrentes na fala e por isso devem receber atenção especial.

Linguagem das long tails

As long tails também devem ser repensadas com a atuação dos buscadores por voz. A long tail é uma estratégia de varejo que tem o objetivo de vender pequenas quantidades de muitas mercadorias, fazendo com que uma empresa tenha um grande volume de vendas, esse conceito foi usado por Chris Anderson no livro “A Cauda Longa – Do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho”.

As palavras-chave com cauda longa precisam ser ainda maiores para atingir o seu público e com uma linguagem que se adeque a uma pesquisa falada.

O ideal é selecionar expressões com linguagem oral, que faz maior uso do coloquialismo. Portanto, com exceção das pesquisas feitas com apenas uma palavra, as buscas de modo geral tendem a utilizar mais o campo semântico associado à fala.

A tendência é aumentar a pesquisa frasal e reduzir as palavras-chave gerais, logo é importante investir em long tails conversacionais, que vão ao encontro da humanização dos buscadores por voz e, dessa forma, garantirão os primeiros lugares nos resultados de busca.

Preferências do usuário

Considerar a experiência e preferências dos usuários também é de extrema importância, especialmente para as empresas que pretendem garantir o alcance orgânico. Isso porque o Google leva em conta os gostos pessoais do internauta e o histórico do dispositivo para ranquear seus resultados.

A otimização para buscadores deve considerar fatores como o consumo recente e estabelecimentos favoritos, visitados ou acessados com frequência pelo usuário. Destaca-se que o trabalho de otimização baseado nas preferências do consumidor pode contribuir tanto para os buscadores de voz quanto para as buscais locais, também bastante exploradas hoje em dia.

O nome da empresa ou marca é mais um fator com alta relevância para os buscadores por voz. O ideal é que não haja dúvida com relação à pronúncia ou grande dificuldade para realizá-la, uma vez que o usuário pode optar por pesquisar diretamente pelo negócio específico.

Investimento em Microdata

O Microdata é um recurso que pode contribuir bastante para as estratégias focadas nos buscadores por voz. A ferramenta permite estabelecer padrões para descrição de dados utilizando elementos ao HTML, de modo que os mecanismos de busca consigam utilizar informações dentro do campo semântico delimitado, o que amplia as possibilidades de resultados no ranqueamento.

A utilização do Microdata, portanto, faz com que os dados mais importantes apareçam nos resultados dos buscadores, além de o conteúdo passar a ser mais significativo para os internautas que utilizam os buscadores por voz.

Os assistentes virtuais e de buscas por voz tendem a receber cada vez mais investimento das grandes tecnologias, o que significa que suas funções serão multiplicadas e aprimoradas com o tempo, baseadas na experiência do usuário moderno. Estudar e investir nesses recursos integra o cotidiano dos melhores profissionais de marketing digital, os quais buscam o alcance orgânico, presença digital efetiva e maior lucratividade.

Comentários