Open post
Celular imagem Facebook Canvas

Facebook Canvas: imersão e engajamento mobile

Quem disse que a publicidade online tem que ter sempre a mesma cara? Com um consumidor cada vez mais conectado e informado sobre o que acontece ao redor do mundo, é preciso uma dose extra de criatividade para manter uma comunicação eficiente e garantir a conversão de vendas.

O Facebook sabe disso como ninguém e, há pouco tempo, lançou uma nova ferramenta com a intenção de ajudar as companhias que utilizam a rede social para se comunicar com os seus clientes a fazer diferente e contar suas histórias de uma maneira mais atrativa: o Facebook Canvas.

Basicamente, o que a equipe de desenvolvimento do Facebook levou em consideração foi o crescimento dos acessos e a grande participação dos dispositivos móveis entre os usuários. O que é bastante significativo quando se analisa os dados do comércio eletrônico.

E buscou aprimorar a experiência deles em relação ao consumo de conteúdo das marcas. Conseguem ter uma experiência completa com o recurso os usuários dos sistemas operacionais Android e iOs. E o que isso significa para o seu negócio? Mais uma oportunidade de encantar e engajar esse consumidor.

Se você ainda não sabe do que se trata, é bom se informar. Coca-cola, Burberry, Wendy’s, Netflix, L’Occitane, Asus e outras marcas já estão criando os seus anúncios via Facebook Canvas. O novo formato permite a utilização de elementos como imagens fixas, galerias de imagem em carrossel, vídeos, textos e botões interativos. Além disso, é possível incrementar a visitação do site, com a inserção de links.

É uma experiência de tela cheia interativa que permite que os anunciantes possam mostrar os melhores atributos dos seus produtos ou campanhas e atrair a atenção integral de um usuário.

Assim a comunicação ganha mais impacto e interatividade, com a possibilidade de se consumir a informação conforme o seu cliente desejar: descer o anúncio, rolar as fotos e clicar onde ele quiser para conhecer melhor a história postada – seja um conteúdo comercial ou institucional. Pode ser um grande aliado do mobile marketing.

Processo intuitivo

Se você se interessou e deve estar pensando que é difícil fazer, saiba que o processo de criação dos anúncios do Facebook Canvas é bastante simples e intuitivo. O maior esforço é no planejamento e no conceito das peças, mas a mecânica em si não tem muito segredo.
Primeiro, é preciso acessar a área de Ferramentas de Publicação nas configurações da página do Facebook. Lá você vai encontrar a opção do Canvas. Ao acessá-la, aparecerá o botão de criação da sua primeira história. A partir daí, será necessário selecionar quais elementos serão utilizados – entre vídeos, fotos, texto e as galerias de imagens em carrossel.

Ao finalizar a inserção dos elementos, é necessário salvar e o usuário pode criar um preview, que só poderá ser acessado via mobile. Ao abrir o aplicativo do Facebook no celular, haverá uma notificação informando sobre a disponibilidade da história. Se estiver dentro do esperado, é só salvar.

Seu anúncio no Facebook Canvas poderá ser compartilhado como uma postagem na linha do tempo ou publicado como um anúncio pago – com a possibilidade de ter todos os insights sobre os cliques e visualizações da publicação.

Insights para o Facebook Canvas

Várias indústrias e segmentos podem se beneficiar dos recursos da ferramenta para se aproximar do seu cliente. Seja para contar uma história, conseguir engajamento para uma campanha ou para exibir as imagens de um ensaio fotográfico de uma nova coleção de vestuário, as diferentes opções de montagem dos anúncios ou das histórias favorecem um conteúdo que chama a atenção do usuário da rede social.

Por isso, a escolha da capa – a primeira imagem que será vista pelo usuário – é tão importante. É com base na atratividade dela que o seu canvas vai ou não receber cliques. Por todo o Canvas, aliás, é importante que haja o mínimo necessário de texto e predominem as imagens. Mais uma vez, bem produzidas e bem escolhidas.

Assim como em outras redes sociais, vídeos são bastante atrativos e esse recurso deve ser apresentado para que o seu anúncio no Facebook Canvas tenha mais sucesso. Assim que conseguir a audiência, aproveite para facilitar a conversão. Use os botões de ação, para direcionar os visitantes e compradores potenciais ao seu e-commerce.

Por que dar atenção ao mobile e usar o Facebook Canvas?

Segundo dados do próprio Facebook, o número de usuários diários acessando a rede social via mobile chegou a 1,03 bilhão, em média só no mês de junho de 2016, o que representa um crescimento de 22% em relação ao mesmo mês do ano passado.

No Brasil, de acordo com levantamentos do Ibope, do Suplemento de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2014, o celular ultrapassou o computador no acesso à internet.

Em 80,4% das casas com acesso à internet foi registrado o uso do celular, enquanto o computador era usado em 76,6% dos lares, o que representa queda em relação aos números de 2013, que eram de 88,4%. A região que mais chama a atenção no aumento da participação do acesso móvel à internet é o Nordeste, com 92,5% das casas utilizando os celulares.

Mais de 130 milhões de pessoas com 10 anos ou mais tinham aparelhos de telefonia celular no país em 2014. Isso corresponde a quase 80% da população e um aumento de quase 5% em relação a 2013. Na comparação com o ano de 2005, é um crescimento de 142,8%.

O que favorece esse crescimento é também a disponibilidade de banda larga móvel nas residências. Segundo as informações da Pnad 2014, divulgada em abril deste ano, houve um aumento de 19,3 pontos percentuais na comparação com o estudo realizado em 2013. Enquanto a conexão de banda larga fixa apresentou redução de 5,2 pontos. Os dois tipos de banda larga estavam presentes em 35% dos municípios na pesquisa.

Apenas no primeiro semestre de 2016, as transações feitas via mobile no Brasil apresentaram crescimento de 70% em comparação ao mesmo período de 2015. Esse número faz parte do 2016 State of Mobile Report, da Criteo, empresa especializada em publicidade digital.

Open post
Equipe de Alta Performance

Como formar uma equipe de alta performance de marketing digital

Várias pessoas trabalhando juntas formam uma equipe quando cada uma delas passa a refletir sua própria forma de trabalhar e busca resolver os problemas de modo que seja positivo para o coletivo. Isto é, o trabalho em equipe existe quando cada membro desta consegue incluir no seu modo de operar as habilidades que vão ao encontro dos objetivos e resoluções do todo.

Uma equipe de alta performance é aquela que apresenta alta competência e significativo nível de comprometimento. Os membros que formam essa equipe devem trabalhar de maneira realmente alinhada, compartilhando valores, visão, objetivos e cooperação. Além disso, uma equipe de alta performance deve ser composta por indivíduos que tenham diversidade entre si, multiplicidade de conhecimentos, diferentes experiências e opiniões.

Como estruturar uma equipe de alta performance de marketing digital?

Formar uma equipe de alta performance não é tarefa fácil. No marketing digital, essa função exige atenção e esforço diferenciados, pois as ferramentas e demandas do mercado tecnológico estão em constante mutação. Sabendo disso, veja o que não pode faltar em uma equipe de marketing digital:

• Liderança: ter um líder ativo na equipe é fator fundamental para que essa trabalhe com eficácia. A liderança de uma equipe de alta performance deve buscar capacitação e motivação constantes, de maneira que inspire os outros integrantes a agirem da mesma forma.

Um líder da área de marketing digital deve estar disposto e apto a inovar, além de estimular toda a equipe a se atualizar constantemente. É importante ainda que o líder esteja aberto a mudanças propostas pelos demais integrantes, pois, na era digital, a informação nem sempre é recebida de maneira hierárquica e estruturada.

• Inovação: uma equipe de alta performance está sempre insatisfeita com os processos utilizados pela empresa, uma vez que a todo o momento está em busca da excelência.

Na área de marketing digital, a inovação é fator essencial à eficiência da equipe, pois a internet e seus mecanismos, como por exemplo as ferramentas de busca, agem de modo extremamente dinâmico.

• Proatividade: contar com integrantes que ajam por antecipação e de modo assertivo, sem esperar o comando do líder ou que a demanda torne-se urgente faz com que a equipe alcance seus objetivos em tempo hábil, sendo que seus valores e harmonia sejam percebidos em esfera mais ampla, como na empresa e clientes.

Quem trabalha com marketing digital deve considerar que a otimização do tempo garante o cumprimento de tarefas diárias que envolvem diretamente o cliente, como a atualização de sites, blogs, envio de e-mail marketing e outras ações que requerem pontualidade. Além disso, a pessoa proativa tem tempo e capacidade para atuar com demandas urgentes, como campanhas de oportunidade, muito comuns nas redes sociais.

• Produtividade: essa característica significa realizar o maior número de tarefas possível com a maior qualidade que se pode oferecer. No marketing digital, a máxima qualidade significa estar sempre à frente dos concorrentes em ações digitais, como nas redes sociais e ferramentas de busca.

A produtividade de quem atua com marketing digital pode ser mensurada de maneira imediata, através das métricas e resultados que a internet apresenta. Por outro lado, como trabalhar diretamente com a rede exige níveis altos de foco e concentração, o ideal é que a equipe de marketing digital utilize ferramentas de planejamento, organização e administração do tempo.

• Inteligência: considerando a ampla gama de informações, atualizações e até possibilidades de operar que a internet oferece, a inteligência se faz imprescindível no momento de filtrar esses dados e utilizar somente o que for adequado para o objetivo da empresa.

Equipes de alta performance trabalham para as demandas certas na situação e ambientes certos. Equipes que trabalham com inteligência tendem a atingir mais rapidamente a liderança no mercado.

Como formar uma equipe de alta performance

Mesmo que o gestor saiba por quais características deve procurar para formar sua equipe de alta performance, na prática, é importante agir de modo específico e estratégico. Saiba como:

• Observe: um líder eficiente deve ser sensível o bastante para perceber os pontos fortes e pontos em que a equipe precisa melhorar, reorganizando as tarefas de acordo com as qualidades individuais de cada integrante.

Assim, as atividades são concluídas com eficácia e todos trabalham satisfeitos com suas funções, uma vez que as tarefas estarão organizadas de acordo com as habilidades de cada colaborador.

• Valorize: em qualquer ambiente de trabalho, incluindo o setor de marketing digital, há pessoas com competências diversas a serem valorizadas e utilizadas a favor dos objetivos da equipe.

Equipes de alta performance são compostas pela diversidade de talentos, dessa forma, é importante valorizar as particularidades dos profissionais, como a facilidade para a comunicação, planejamento, execução, entre outros atributos que possam contribuir de modo positivo para a equipe.

• Motive: estimular e incentivar continuamente é a chave do sucesso para manter uma equipe de alta performance. Não basta encontrar os profissionais certos, a motivação para que estes permaneçam na equipe dando o melhor de si é fundamental para que a equipe trabalhe com harmonia e produtividade.

• Dê o exemplo: o líder deve ter um comportamento profissional respeitável, a fim de incentivar a sua equipe a trabalhar da mesma maneira.

Pontualidade, boa educação, capacitação e inovação são apenas alguns dos requisitos que se espera de um verdadeiro gestor de equipe.

• Saiba criticar: a condução e orientação de uma equipe de alta performance deve acontecer de maneira adequada e sensata, sem que as regras básicas do bom senso sejam deixadas de lado.

O ideal é elogiar os integrantes em público, quando for o momento de fazer isso, assim como se deve fazer críticas e expor os pontos negativos dos indivíduos em particular. Dessa maneira, aumenta-se o desempenho da equipe sem que para isso precise haver alta rotatividade.

O gestor de uma equipe de alta performance deve ter em mente que a liderança é uma maneira de colaborar para o desenvolvimento das pessoas. A liderança deve ser realizada com autonomia e competência, entretanto, não deve ser confundida com poder.

Liderar uma equipe de alta performance no setor de marketing digital significa saber explorar a diversidade de talentos, a fim de que usem as ferramentas da era tecnológica para atingir os objetivos da empresa.

Sucesso!

Open post
Hunting na Era Digital

Entenda a importância do processo de hunting especializado na era digital

Trabalhar o hunting em setores ligados à internet e web marketing significa, sem dúvida, aprender constantemente. Estar por dentro das inovações que a tecnologia proporciona e das consequentes exigências de clientes e usuários é fundamental para sobreviver no mercado atual.

A cada dia aparecem novas ferramentas e serviços que possibilitam acelerar e melhorar as tarefas diárias de quem trabalha com web marketing, e é justamente por isso que o profissional da área precisa estar atualizado para buscar sites e pessoas valiosos para o sucesso do seu negócio.

A captação de talentos para serviços digitais, por exemplo, pode acontecer através de hunting especializado, que tem por objetivo encontrar o profissional ideal para a empresa, através do entendimento detalhado do perfil desejado pela empresa.

Entenda o que é head hunting focado no digital

Hunting é uma expressão da língua inglesa que significa “caçar”, literalmente. Através da metodologia de hunting, o setor de recursos humanos – ou a consultoria contratada – tem a função de realizar uma prospecção assertiva em busca dos profissionais ideais para a posição em aberto conforme os objetivos da empresa que contrata o serviço.

Outro ponto que merece destaque no processo de hunting é que a busca pelo profissional ideal não se restringe somente aos candidatos passivos.

A metodologia engloba ainda os candidatos ativos, isto é, as pessoas que estão empregadas e não estão necessariamente à procura de novas oportunidades, mas demonstram estar abertas a novas propostas.

Como funciona o hunting

O hunting, incluindo o processo de prospecção de talentos digitais, começa com a delimitação do perfil da vaga e dos critérios necessários ao seu preenchimento.

No caso de uma consultoria ser contratada para fazer o serviço, essa primeira etapa acontece conjuntamente entre o setor de Recursos Humanos da empresa contratante e a empresa contratada para realizar a consultoria.

Num segundo momento, depois de ser definido o perfil e os critérios da vaga, deve ser feita uma lista com requisitos para a busca dos candidatos, por meio de ferramentas como: perfil técnico e comportamental, marketing mapping, hunting ground e outras.

Na terceira fase do processo, é realizada a abordagem dos candidatos selecionados com a finalidade de perceber qual é a atual situação de cada um e posicionando-os em caso de sucesso no processo de hunting. Depois são feitas entrevistas por competências.

E, após concluídas essas etapas de abordagem dos candidatos potenciais, é apresentada uma lista com os finalistas para o gestor da posição em aberto e o setor de RH, especificando quais os pontos fortes e fracos de cada candidato, a fim de que o melhor seja selecionado, de acordo com a expectativa da empresa e o cenário exposto.

Na sequência, são inclusos todos os responsáveis pela contratação para definir como o candidato escolhido será abordado com a proposta oficial.

Headhunter e networking

O hunting para selecionar os profissionais ideais da área executiva e cargos de liderança é realizado por um headhunter, que é basicamente um “caçador de cabeças”. O headhunter é um mediador entre a empresa e o profissional, devendo aliar as demandas da empresa com o perfil e qualificação deste.

A maior diferença entre um recrutador e um headhunter é o seu networking, isto é, sua rede de relacionamentos. No geral, o headhunter é muito bem relacionado e transmite confiança, o que ajuda muito no momento de encontrar o candidato certo para vaga certa.

Por que contratar esse serviço?

Em se tratando de profissionais do mercado digital, principalmente, há alguns motivos básicos para se contratar uma consultoria especializada em hunting. Conheça-os.

  • O hunting é um processo muito assertivo, que tem a finalidade de captar profissionais ideais, os quais já apresentem experiência com atividades semelhantes às da vaga disponível e características internas que vão ao encontro do perfil da empresa.
  • Agir com cautela, sigilo e confidencialidade devem ser princípios de quem trabalha com hunting, pois, caso o trabalho não seja realizado dessa forma, poderá levantar suspeita-se acarretará em ponto negativo inclusive para a empresa contratante.
  • Se for contratada uma consultoria especializada, haverá vantagem ainda no fato de ela estar isenta de interferências e pressões internas da empresa, como também possuir uma ampla rede de contatos, banco de dados específico e técnicas de abordagem ágil dos candidatos potenciais existentes no mercado.
  • O consultor ou headhunter dá assessoria à empresa e ao setor de RH, explicando o comportamento atual do mercado de trabalho, diminuindo assim os riscos de no processo seletivo, além de trazer maior agilidade e assertividade.

Quando contratar um headhunter especializado no mercado digital?

As grandes empresas geralmente estão bem amparadas por seus setores para realizar trabalhos de recrutamento e seleção de líderes.

Entretanto, com a constante mudança que vem acontecendo no mercado de trabalho, nos modos de trabalhar e contratar, principalmente para profissionais das áreas de tecnologia e digital em geral, a contratação de um headhunter deve acontecer quando:

  • A busca do executivo ou líder tiver que ocorrer de maneira confidencial, incluindo os públicos internos e externos da empresa.
  • A abordagem e seleção tiver que acontecer junto a pessoas já empregadas e a ação direta da empresa interessada passa a ser, então, mais difícil e sutil.
  • Os recursos internos da empresa acabam e não se tem êxito na procura do profissional adequado.
  • A procura deva acontecer fora do município, região ou até país em que o setor de RH da empresa está possibilitado a trabalhar.

É importante que o gestor da vaga ou a empresa contratante e, em especial, o departamento de RH compreendam que a consultoria ou o headhunter contratado trabalharão como parceiros, facilitadores e colaboradores, nunca como seus rivais. O objetivo maior é certamente encontrar o profissional ideal para uma posição específica.

Sucesso!

Open post
Placa Black Friday

Oportunidades e desafios da Black Friday em 2016

Está preparado para a próxima edição da Black Friday? Antes de responder, é melhor pensar um pouco mais. Isso por que, neste ano, além de todo o histórico da data desde que ela foi incorporada pelo varejo brasileiro, promoções, ofertas e descontos não faltaram ao longo dos últimos meses.

Portanto, apenas com uma dose extra de preparo, criatividade – e por que não dizer, de sinceridade – é possível garantir que a sua ação seja um sucesso, realmente agrade o consumidor e ajude a gerar os resultados esperados.

Contextualizando um pouco mais, você deve se lembrar de que a Black Friday vem lá dos Estados Unidos. Tradicionalmente, é a última sexta-feira do mês de novembro, logo após um feriado bastante tradicional no país da América do Norte: o Thanksgiving Day, ou Dia de Ação de Graças.

As cenas de consumidores desesperados atrás de produtos baratos são bem mais comuns nos filmes. De vez em quando, acontecem nas promoções das grandes redes de varejo por aqui, em que não é tão raro encontrar consumidores acampados na porta das lojas. Mas a Black Friday já foi adotada no Brasil há cerca de cinco anos e também em outros países como o Canadá, Reino Unido e Austrália.

Embora haja alguma adesão de lojas físicas no Brasil, é na categoria e-commerce que as promoções da data são mais chamativas e também que os consumidores acabam aproveitando mais por aqui. Basta analisar os números de faturamento ao longo do período vigente, disponíveis nos próximos parágrafos. Neste ano, a Black Friday acontece no dia 25 de novembro.

Começo com o pé esquerdo

O primeiro grande desafio é vencer a resistência de um consumidor que a cada ano fica mais atento a um problema que aconteceu no início. Assim que chegou por aqui, a ação promocional recebeu o apelido “carinhoso” de “Black Fraude”, uma vez que, não foi necessário muito esforço para que se percebesse uma maquiagem nos preços dos produtos, que sofriam aumento dias antes para que os descontos parecessem maiores.

Resultados positivos

Tudo isso não impediu que a Black Friday tivesse resultados positivos, especialmente no que diz respeito ao varejo digital. De 2010, primeiro ano de realização no Brasil, para 2011, houve um crescimento de 80% em faturamento. Já em 2013, as vendas registradas chegaram ao valor de R$ 770 milhões na internet.

No ano seguinte, mesmo com a perspectiva da crise econômica, o e-commerce teve R$ 1,16 bilhão em vendas, segundo os dados da e-Bit, empresa especializada em dados sobre o comércio eletrônico.

Em 2015, mais um recorde, com a movimentação de R$ 1,5 bilhão em vendas e ticket médio de R$ 492 no varejo eletrônico, de acordo com o levantamento da Clear Sale.

No varejo físico, no entanto, ainda há pouca adesão de lojistas e dos consumidores. O faturamento fica bem abaixo do registrado no e-commerce durante todo o período de realização das promoções por aqui.

O movimento nas lojas, igualmente, acaba ficando abaixo do normal, de acordo com os especialistas, a data já é tradicional do comércio pela internet, com a facilidade dos clientes pesquisarem diversos sites e preços antes de tomar a decisão de compra por um produto específico. Segundo a Virtual Gate, em 2015, o fluxo de pessoas nas lojas físicas teve retração de 15,6% durante o período de vigência da ação na web.

Os mais vendidos

Historicamente, os produtos que lideram as vendas nas edições da Black Friday brasileira são os eletroeletrônicos, como os aparelhos de televisão e os smartphones e tablets. No ano passado, as duas categorias foram responsáveis, respectivamente, pelo faturamento de R$ 240,15 milhões e R$ 327,89 milhões, conforme indicam os dados da Clear Sale.

Promoções demais

Por falar em desafios, basta abrir os e-mails diariamente para conferir a enxurrada de mensagens promocionais, anunciando ofertas mil em diversas categorias de produtos. O varejo físico não fica atrás. Shoppings e ruas de comércio estão tomadas por faixas e outros materiais ostentando descontos.

E o que isso significa para quem participar da Black Friday? Muito mais responsabilidade no momento de preparar os produtos e as ofertas que serão apresentadas ao consumidor.

Negociações com fornecedores precisam ser muito melhor pensadas para que haja, de fato, vantagem para quem estiver pesquisando os preços. Ou não haverá compra. Além dos valores, atendimento e pós-venda tornam-se ainda mais importantes.

Fretes menores, entrega mais rápida, brindes, amostras, clubes de fidelidade, tudo o que puder ser pensado para que o consumidor se sinta especial vai fazer a diferença. Ter uma plataforma preparada para a crescente utilização do mobile na navegação e compras também é interessante.

Mais uma vez, não custa lembrar que apenas preço baixo, por mais atrativo que seja, não é mais novidade para ninguém. Portanto, não será suficiente para a conversão. Aliar boas condições a um serviço de qualidade é o que vai fazer a diferença sempre.

Expectativas para a Black Friday 2016

Com preparação e atenção ao cliente, de acordo com pesquisa realizada e divulgada pela e-Bit, aparentemente, não tem como errar. Dos pouco mais de 5 mil consumidores digitais ativos que responderam a pesquisa da empresa especializada no varejo pela internet, 84% disseram que pretendem realizar compras durante a edição de 2016 da Black Friday. No ano passado, eram 81% os dispostos a consumir. A estimativa de faturamento fica em torno de R$ 2,1 bilhões, o que representa um crescimento de 30% em relação ao ano passado.

Em relação à intenção de compra de produtos, as categorias mais populares ainda devem ser os eletrônicos, com 34%, eletrodomésticos, com 28%, telefonia e aparelhos celulares, com 27% e informática, com 23%. Apenas 13% dos consumidores afirmam que pretendem adquirir itens voltados a casa e decoração.

Open post
Inbound Marketing

Por que investir em Inbound Marketing?

Investir em estratégias de marketing é uma das formas mais certas para gerar lucro para a empresa. Muitos empreendedores ainda preferem os meios tradicionais para investir, como mídia impressa, outdoor, comunicação de massa, rádio, jornal e TV. Entretanto, é cada vez mais comum o investimento e procura pelo marketing digital através de publicidade em redes sociais, SEO, marketing de conteúdo e outros.

No Brasil, apostar no Inbound Marketing ainda é visto como uma inovação, diferentemente de países como os Estados Unidos, onde esse tipo de estratégia já é uma realidade. O fator principal para esse cenário estar acontecendo é simples: já é estatisticamente comprovado que o retorno de investimento do novo marketing é maior do que o do marketing tradicional.

Ainda assim, existe uma resistência grande para se optar pelo Inbound como estratégia. As respostas apontam para questões bastante subjetivas ou, pelo menos, pouco convincentes. A realidade é que o marketing de atração é uma tendência praticamente irreversível. Entenda por quê.

 

O que é Inbound Marketing

Caso não esteja claro para você ainda do que se trata esse termo, é bom começar por aqui. Citado por muitos como marketing de atração ou novo marketing, o inbound é uma maneira de atrair seus clientes potenciais – as buyer personas – através de conteúdo do interesse deles e não mais através de propaganda direta e invasiva.

Em outras palavras, é fazer com que o seu cliente vá até você e não o contrário. Isso quer dizer investir em marketing de conteúdo, por meio de blogs, podcasts, vídeos, SEO e outras ferramentas que façam o seu público-alvo encontrar sua empresa por interesse pessoal e não pelo produto ou serviço que oferece.

 

Por que as empresas ainda não investem em Inbound Marketing

Uma das verdades mais clássicas no mundo empreendedor é a resistência a mudanças. Independentemente do setor da empresa, resistir faz parte do instinto humano, por questões de autoproteção e sobrevivência.

E não é diferente quando o assunto é apostar em marketing de atração. Primeiro, é válido lembrar que a mente humana é movida à emoção e não fundamentada na razão, como muitas vezes parece ser.

Para se ter uma ideia, tenha em mente seus investimentos em marketing até hoje. Pense em quantas vezes investiu em marketing tradicional e não obteve retorno – mas ainda assim continuou investindo. E quantas vezes inovou ou mudou a estratégia?

É comum que o marketing tradicional já não traga tanto resultado positivo para sua empresa, ou ainda que traga, mas nem sempre da forma realmente esperada. Com o tempo, os seus clientes mudaram e também a forma de os atingir. O marketing tradicional pode até manter sua empresa, mas não a faz crescer.

É aqui que entra o Inbound Marketing. Estamos na era da inovação e do consumidor exigente, o que requer um passo-a-passo na hora de conquistá-lo, e um bom planejamento em marketing de atração mostra resultados de escala, isto é, quanto mais você produz, maior é o seu alcance potencial.

Analise os dados:

A fonte é a gigante HubSpot:

• 92% das marcas que postam diariamente em seus blogs conquistam novos clientes através do blog.

Redes sociais convertem leads em clientes 100% mais que o Outbound Marketing, ou seja, a estratégia tradicional de marketing, em que a marca é ativa no processo de prospecção de clientes.

• Empresas com mais de 30 landing pages geram sete vezes mais leads do que marcas com menos de dez landing pages.

• Os leads do novo marketing custam 60% menos que leads conseguidos pelo Outbound.

• Os leads que recebem conteúdo por meio da nutrição (técnica de enviar conteúdo de forma automatizada) finalizam compras 47% maiores do que os leads não nutridos.

 

Por que investir em Inbound Marketing

1. Os consumidores de hoje em dia não aceitam mais publicidade invasiva – e sabem como evitá-la

As ferramentas para bloquear as propagadas invasivas na internet têm sido as maiores inimigas do marketing digital. Os Adblockers vieram para ficar e ajudar quem não quer receber propaganda digital invasiva. Esse tipo de publicidade geralmente interrompe o internauta, especialmente se aparece na forma de pop-up.

Logo, o pensamento é lógico: as pessoas em geral não gostam de anúncio. Por melhor que ele seja, o internauta não quer vê-lo e o anúncio acaba, portanto, atrapalhando a navegação da pessoa na rede. Isso vale para qualquer modelo de propaganda direta que está na sua mente, ou seja, Outbound Marketing.

Por isso mesmo, as pessoas fazem questão de instalar um bloqueador de anúncios no navegador – o que é perfeito para elas e péssimo para os anunciantes tradicionais. Sabendo disso, uma solução é investir na produção de conteúdo que atraia o seu público potencial, assim, ele mesmo procurará sua empresa nos sites de busca.

 

2. O seu público ideal vai procurar sua empresa e não mais o contrário

Produzir conteúdo relevante é a base de todo marketing de atração, de maneira que auxilie seus leads e consumidores a encontrarem respostas para seus problemas e demandas. Para isso, é preciso estar munido de uma equipe com alto conhecimento no seu segmento.

Assim, ela produzirá conteúdo que solucione as inquietações primordiais do seu público-alvo, antes mesmo de se iniciar uma abordagem comercial propriamente dita. A tendência é sua empresa se tornar referência para seu cliente potencial, quem, portanto, a procurará no momento de decisão de compra.

Uma opção para quem tem uma equipe especializada reduzida é contratar uma agência ou consultoria profissional para manter a constante e adequada presença da empresa na internet. A produção de conteúdo para quem quer ver resultados no Inbound Marketing deve ser ininterrupta e eficiente.

Vale lembrar ainda a importância de otimizar o conteúdo para os mecanismos de busca. Ao produzir um texto com as mesmas palavras que o seu consumidor potencial está buscando no Google, por exemplo, torna-se muito mais fácil ele encontrar o conteúdo de sua empresa.

 

3. O custo é menor que o Outbound Marketing

Parece um bom motivo, não é mesmo? Novamente citando a HubSpot, pesquisa mostra que investir em Inbound Marketing custa 62% menos do que Outbound Marketing. O estudo coloca ainda que 32% das empresas estão migrando do marketing tradicional para o Inbound Marketing.

Saiba porque utilizar o inbound marketing na sua empresa.

Posts navigation

1 2 3 4 5 6 22 23 24