Open post

Os 3 primeiros passos para a Transformação Digital da sua empresa

 
Transformação digital trata-se de um conceito da atualidade pelo qual empresas de todos os setores estão passando ou terão que passar para sobreviver no mercado. As organizações devem se preocupar e estar atentas às evoluções tecnológicas que vêm ocorrendo, pois estas estão alterando de modo significativo tanto a forma de se relacionar com os clientes quanto os processos internos da corporação.

O que é transformação digital?

O termo transformação digital diz respeito a um processo através do qual as organizações utilizam a tecnologia para aprimorar seu funcionamento, ampliar seu alcance e atingir resultados mais significativos.

Trata-se de uma transformação estrutural nas empresas, a qual reconhece a importância da tecnologia, atribuindo a esta papel fundamental nos processos corporativos. Contudo, ainda que tenha uma definição interessante, nem todas as organizações estão investindo nessa poderosa mudança.

A ideia de transformação digital ultrapassa os investimentos em relacionamento e marketing digital e e-commerce, por exemplo. A mudança deve englobar toda a estrutura da empresa, o que geralmente acontece de forma gradativa, por envolver investimento em recursos, cultura organizacional e recursos humanos.

Como começar a transformação digital

A possibilidade de mudança radical nos processos da empresa através do uso da tecnologia surgiu como uma oportunidade de crescimento no mercado competitivo atual. A transformação digital resulta em experiências positivas para os consumidores e funcionários da empresa, as quais aparecem a partir da execução dos seguintes passos:

1. Entender o processo

O primeiro movimento que deve ser realizado pelos gestores da empresa é o amplo entendimento sobre o conceito desta transformação. Apenas dessa maneira será possível compartilhar a ideia com os funcionários da empresa e convencê-los de que a mudança radical nos processos resultará em benefícios para todos, fazendo com que trabalhem de modo colaborativo.

2. Saber quais são seus objetivos

Definir quais são os objetivos específicos que se pretende atingir com a transformação digital é essencial para delimitar por onde começar e quais caminhos seguir. De modo geral, temos o seguinte:

  • Modificar processos internos com a finalidade de reduzir custos, aprimorar a produção, interagir com fornecedores e apresentar ofertas diferenciadas;
  • Aperfeiçoar a experiência digital do consumidor e do usuário final para alcançar conversão, lucratividade e fidelização;
  • Facilitar a rede administrativa de serviços, a fim de moderar a complexidade, prever situações adversas, aumentar o alcance e ter domínio sobre os ativos;
  • Readequar a infraestrutura e o processos de modo a alcançar a eficácia, desenvolver agilidade e melhorar a relação custo-benefício, com foco na obtenção de vantagem competitiva.

O conjunto de objetivos a serem alcançados varia de acordo com cada empresa e seu setor de atuação. Por isso, a definição de metas e objetivos é um passo de extrema importância no caminho para a transformação digital.

3. Conhecer a tecnologia disponível

Pesquisar e saber quais ferramentas tecnológicas estão disponíveis no mercado e que possam beneficiar sua empresa é o terceiro grande passo para a transformação digital. Ter consciência do que elas podem oferecer, conhecer as tendências, entender sobre automação e interação homem-máquina, como também saber avaliar seus custos-benefícios é o ponto chave para o investimento correto.

Os recursos tecnológicos escolhidos devem oferecer segurança e confiabilidade, sem comprometer a estrutura da empresa e posicionamento de marca. Para realizar um investimento assertivo, aconselha-se que os gestores das organizações contratem especialistas para lhes auxiliar no processo de mudança radical, como profissionais da área de tecnologia da informação (TI) e consultorias específicas, além de tomar decisões junto às gerências de cada setor interno.

Consultoria e transformação

Alterar a cultura e os processos de uma organização envolve a própria sobrevivência da empresa, por isso a mudança deve acontecer de maneira muito bem pensada. Contratar uma consultoria para auxiliar na transformação digital garantirá resultados positivos no processo, uma vez que o consultor especializado terá uma visão estratégica sobre as informações que lhe forem passadas.

O serviço especializado de consultoria pode ajudar sua empresa com:

  • Denso conhecimento no assunto: o consultor tem visão ampla necessária para apontar o melhor caminho para sua empresa, conforme as características e cenário apresentados;
  • Metodologia e pesquisa: serviços de consultoria auxiliam empresas fornecendo metodologias e pesquisas específicas, uma vez que são especialistas no assunto;
  • Foco nos resultados: o consultor apresenta-se com exclusividade para auxiliar a sua empresa, logo se mostra como um apoio externo com foco nos resultados.

A consultoria em transformação digital é capaz de desenvolver ações para admissão e readequação de infraestrutura, questões analíticas associadas ao investimento necessário em TI e gestão de pessoas envolvidas no processo de mudança radical. Esteja cercado de bons profissionais e dê um passo à frente no crescimento da sua empresa.

Sucesso!

Foto: Designed by Freepik

Open post

Como obter resultados com mídias sociais na sua empresa

Tomar a decisão de investir em marketing digital através das mídias sociais ainda é difícil para muitas empresas. Isso porque o assunto gera dúvidas para empreendedores dos mais diversos segmentos. Contratar um serviço de consultoria é uma forma de responder os questionamentos sobre quais estratégias utilizar, assim como de definir o novo modo de pensar e agir da empresa.

Empresários que não são do ramo do marketing perguntam-se, por exemplo, como funciona exatamente o mundo digital e se o investimento em marketing nas mídias sociais traz resultados positivos.

Por que investir em marketing digital?

A internet é o veículo de comunicação com maior ascensão de audiência na atualidade. Cabe lembrar que, somada a tal realidade, as facilidades virtuais permitem que o cliente seja a cada dia mais exigente, buscando informações sobre produtos e serviços de forma bastante minuciosa.

O consumidor moderno pesquisa e recebe informações sobre marcas das mais diversas maneiras. A globalização e a internet fizeram com que a propaganda direta passasse a ser apenas mais uma forma de promover produtos, sendo muitas vezes considerada invasiva pelo seu público-alvo.

As redes sociais possibilitam um novo tipo de relacionamento com o consumidor contemporâneo. Plataformas como Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e blogs e redes sociais com soluções interativas permitem que as empresas mantenham contato 24 horas com seus clientes potenciais, estreitando relações e gerando fidelidade difíceis de se alcançar no mundo competitivo atual.

Consultoria e resultados

O mundo digital é extremamente complexo e mesmo que todas as estatísticas apontem para bons resultados a partir do investimento nas mídias sociais, muitos empresários ainda permanecer com a dúvida sobre a efetividade desse tipo de estratégia para as suas marcas.

A consultoria em marketing digital existe para indicar os caminhos estratégicos a serem trilhados pelas empresas. O consultor especializado em redes sociais estuda a empresa e define ações ideais para divulgar produtos, serviços, conquistar clientes e manter relacionamento direto apropriado com o público-alvo nas mídias sociais.

Os resultados positivos aparecem a partir da execução indicada pelo consultor, agência ou especialista na área. Nesse ponto, destaca-se que a função do empreendedor é preocupar-se em alcançar o sucesso nos seus negócios através das mídias sociais e não entender sobre as mídias em si. Por isso, contratar um consultor ou empresa para realizar serviços nas redes sociais aumenta as chances de resultados positivos.

Como obter resultados com mídias sociais

As redes sociais têm muita importância nas estratégias de marketing digital. Conheça cinco ações a serem colocadas em prática para que sua empresa alcance sucesso nas mídias digitais:

1. Tenha um olhar competitivo

Manter perfis corporativos em canais como Facebook, Instagram, blog e outras mídias sociais requer uma postura corporativa. Estar atento aos perfis dos concorrentes, por exemplo, é uma maneira de conseguir desenvolver vantagem competitiva, seja postando conteúdos mais interessantes ou adotando formas mais agradáveis e atraentes de relacionamento com os consumidores.

2. Converta seus fãs e seguidores

Investir em marketing nas redes sociais significa conseguir um retorno real a partir de um relacionamento virtual. O planejamento e estratégias definidas para as plataformas virtuais devem ser pensados e executados de forma que convertam os fãs e seguidores das redes sociais em consumidores do seus produtos e serviços, pois o “relacionamento” bem construído nas redes pode sim virar negócios.

3. Invista em consultoria

A empresa especializada em consultoria de marketing ajuda marcas se fortalecerem no mercado através também das redes sociais. O bom consultor consegue associar seu olhar amplo e estratégico sobre as informações que a empresa fornece às possibilidades de marketing oferecidas pelas mídias digitais.

O diálogo frequente do consultor com a empresa é fundamental para desenvolver estratégias assertivas para a marca, as quais vão ao encontro dos interesses da organização. O custo do investimento em consultoria de marketing digital, assim como dos próprios serviços para gerenciamento de redes sociais, é menor e mais viável, se comparado ao do marketing tradicional.

4. Adeque-se à plataforma

O mundo virtual apresenta muitas possibilidades de redes sociais e cada uma delas tem uma característica e um público peculiares. O posicionamento adequado da empresa nas diferentes mídias influencia de maneira direta no alcance do sucesso nas ações de marketing.

5. Seja autoridade no assunto

Estar presente nas redes sociais sem objetivos definidos não fará com que sua empresa ganhe destaque diante da concorrência. Trabalhar o conteúdo e a frequência de postagens de modo que gere interesse no seu público-alvo é o que fará a diferença.

A fidelização dos seguidores, bem como sua conversão a cliente real, acontece de forma gradativa nas redes, em horários diferentes e com postagens que apresentam conteúdos ricos.

Obter resultados positivos a partir do investimento em redes sociais demanda tempo, muito trabalho e, principalmente, estratégias bem definidas. Como você tem cuidado do marketing da sua empresa? Investir em profissionais especializados pode ser o começo de uma trajetória decisiva ao alcance de seus maiores objetivos.

Sucesso!

Open post

Saiba como usar o WhatsApp como ferramenta de Marketing

Utilizar o WhatsApp como ferramenta de marketing tem sido cada vez mais comum entre as empresas nacionais e internacionais que buscam meios de promoção diferenciados. O aplicativo de mensagens instantâneas pode ser utilizado de diversas maneiras pelas companhias, desde que atinja adequadamente o seu público-alvo.

O WhatsApp foi lançado em 2009 e atualmente conta com aproximadamente 100 milhões de usuários só no Brasil, ou seja, 96% das pessoas que possuem smartphone no País utilizam a plataforma. Ressalta-se ainda que o aplicativo permite não só a troca de mensagens de texto, como também de áudios, imagens e vídeos, o que é uma grande oportunidade para as estratégias de marketing.

Investir em marketing digital tem diversas vantagens, contudo, é preciso ter cuidado na escolha das estratégias a serem utilizadas. Nesse sentido, a consultoria em marketing é uma ótima opção para saber se a empresa deve promover seus produtos e a própria marca utilizando o WhatsApp e qual a melhor forma de fazê-lo, por exemplo.

3 Formas de utilizar o WhatsApp

O consultor de marketing indicará os caminhos mais eficientes para atingir os objetivos da empresa ou marca e trabalhar com o aplicativo de mensagens instantâneas pode ser uma das estratégias apontadas por uma boa consultoria. Veja três formas de utilizar o WhatsApp como ferramenta de marketing:

 1) Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC)

O conhecido SAC antigamente era um serviço oferecido somente por meio de ligações telefônicas ou correspondências. No entanto, a era digital possibilitou que o consumidor ficasse mais exigente, solicitando respostas imediatas às suas dúvidas e reclamações.

A disponibilização de um SAC via WhatsApp deve levar em conta algumas regras. Primeiramente, a empresa precisa ter um número de telefone específico para oferecer o serviço. O segundo passo é a divulgação desse número, a fim de que os clientes tenham conhecimento do serviço oferecido.

A divulgação do número de WhatsApp para SAC pode ser feita junto às redes sociais da empresa, na embalagem de produtos, flyers, cartões-visita e demais meios de promoção da marca.

A terceira etapa é montar e treinar uma equipe específica para atender o cliente pelo aplicativo, sanando suas dúvidas em tempo real e gerenciando as críticas recebidas.

2) Venda por mensagens

O WhatsApp pode ser também um ótimo meio de venda do seu produto ou serviço. A plataforma pode ser utilizada para reservar mesas em restaurantes, encomendar refeições, agendar horários com prestadores de serviços como cabeleireiros, médicos, dentistas e outros profissionais que podem substituir o contato via ligação telefônica pela troca de mensagens de texto.

3) Divulgação de produtos e serviços

Utilizar o aplicativo para divulgar produtos e serviços também é uma ótima estratégia do marketing digital. O cuidado principal aqui deve ser com a autorização do cliente para receber mensagens da empresa, a fim de não construir uma imagem negativa da marca, fazendo spam.

O ideal é saber se o cliente está interessado em ser informado de modo particular sobre promoções, lançamentos de produtos e outras ações da marca. Caso esteja, o WhatsApp pode ser explorado pela empresa em sua totalidade, com o envio de textos, imagens e até vídeos, em casos específicos, como já temos observado desde o mercado de moda, até automóveis.

Cuidados com o aplicativo

A ampla possibilidade de utilização do WhatsApp como ferramenta de marketing requer alguns cuidados fundamentais para o sucesso das ações da empresa. A consultoria em marketing digital é capaz de apontar esses cuidados para cada empresa, de modo específico. Contudo, existem alguns cuidados gerais que devem ser considerados como:

• A autorização e interesse do cliente para receber mensagens particulares da marca são fundamentais para o sucesso das ações. O aplicativo tem caráter pessoal e restrito, portanto, o envio de mensagens sem a prévia autorização do cliente significará invasão de privacidade.

• O conteúdo a ser enviado deve ser criado especificamente para a plataforma. Aproveitar materiais com formatos diferentes ao do formato adequado para WhatsApp transmitirá falta de profissionalismo, portanto, a empresa corre o risco de perder credibilidade com o envio de mensagens criadas para outros meios.

• A estratégia ideal de contato via WhatsApp deve direcionar o cliente para sites, blogs e redes sociais. O aplicativo deve ser útil para direcionar o cliente para outras mídias de maior alcance, as quais apresentem mais conteúdos e possibilidades de conexão com a marca.

• O WhatsApp deve ser explorado como um instrumento para também receber feedbacks. O atendimento personalizado que a ferramenta possibilita deve refletir para o cliente a imagem de uma empresa acessível, preocupada com suas opiniões e fidelidade à marca.

Destaca-se que o escolha por utilizar o WhatsApp como instrumento de marketing precisa ser cautelosa e feita de maneira profissional. A facilidade de se utilizar meios digitais como ferramentas de marketing muitas vezes acaba prejudicando empresas que não querem investir em profissionais especializados.

O ideal para se obter sucesso nas ações de marketing digital é trabalhar com uma equipe interna especializada ou terceirizar o serviço, se for o caso. O investimento em uma boa consultoria de marketing pode ser o início para a escolha correta da utilização de ótimas ferramentas de marketing digital, como o WhatsApp.

Sucesso!

Open post

Como Big Data pode impulsionar o marketing da sua empresa?

Descubra neste artigo como as ferramentas de big data podem auxiliar a estruturar eficazes estratégias de marketing para a sua empresa.

O que é Big data

O termo Big Data não é novo. Ele tem sido utilizado por especialistas da área de tecnologia pelo menos desde o final da década de 60. Não obstante, ele remonta a origens ainda mais antigas e ao termo “estatística”, que se refere à coleta e à classificação de dados.

A Revista Forbes fornece um conceito simples e prático do que é big data. “É o ato de coletar uma larga quantidade de dados advindos de fontes tradicionais e digitais, passíveis de identificar tendências e padrões” (Forbes, 2016, tradução nossa).

Ou seja, big data diz respeito a novas tecnologias e arquitetura articulada para extrair valor de grande volume de dados advindos de diversas fontes. Tal articulação possibilita que os dados sejam coletados, explorados e analisados em alta velocidade.

Como o big data vem revolucionando o mundo digital?

Com a evolução trazida pela internet e pela globalização, o uso da estatística tem sido cada vez mais potencializado, remetendo a uma grande articulação de dados, facilmente visualizada no esquema abaixo:


Os processos in Memory foram sendo aprimorados desencadeando em memórias RAM de maior capacidade, ampliando a velocidade de processamento.

Qual a relação entre Big data e Marketing?

O big data transforma e revoluciona cada vez mais a capacidade de armazenar, recuperar e analisar dados, bem como a forma como as empresas se relacionam com seus clientes e nas estratégias de marketing aplicáveis.
Como exemplo, podem ser citadas as análises preditivas na área da saúde. Um dispositivo na nuvem pode ter acesso a uma base de dados muito maior do que um médico sozinho. De acordo com seus dados pessoais o indivíduo pode ser avisado quando houver algum risco para sua saúde ao praticar determinada atividade física, por exemplo (Algar Tech, 2015).

Esses dados também podem ser utilizados para prever reações de consumo, traçando perfis de compra e pagamento. Conforme explica a Revista Forbes a informação coletada é utilizada pelas empresas para melhorar o que eles sabem acerca do que os clientes querem e necessitam. O objetivo é tomar decisões consistentes baseadas em dados e não simplesmente em palpites (Revista Forbes, 2016).

Ou seja, big data permite que você preveja quais são as necessidades dos seus clientes e suas possíveis futuras reclamações. Com isso, você antevê a existência de problemas e elabora respostas rápidas através de estratégias inovadoras e eficazes.

No entanto, para que essas previsões sejam possíveis os dados necessitam ser tratados através de processos que envolvem a aplicação de metodologia adequadas e equipe preparada para analisá-los.

De quais dados estamos falando?

A grande quantidade de dados disponível e facilmente acessível através da internet necessita ser traduzida e analisada para que seja possível entender o seu conteúdo.

Antigamente as ferramentas que poderiam auxiliar nessa compreensão estavam disponíveis apenas para especialistas da área. Hoje, no entanto, elas estão à disposição de muitos profissionais.

Exemplo destas ferramentas é o Many Eyes, uma ferramenta que coloca à disposição a visualização da informação e ao mesmo tempo em que consiste em um amplo espaço de discussão em que é possível criar um debate centrado em dados oficiais.

Outros exemplos de dados são os obtidos a partir de redes sociais como o Facebook , que possui uma marca de aproximadamente 1 bilhão de usuários por dia. Totalizando mais de 4 milhões de likes e 300 milhões de fotos (Felipe Paiva, 2016).

Além disso, você sabia que existem mais dispositivos conectados à internet do que seres humanos na Terra? Para 2020 a Revista Forbes antevê o número de 1.7 megabytes de novas informações que serão criadas a cada segundo por cada ser humano existente no planeta. Felipe Paiva (2016) explica que a estimativa é de que estes números cresçam ainda mais e que até 2020 existam mais de 20 bilhões de dispositivos conectados.

Como montar uma estratégia de big data para a sua empresa?

Você possui uma série de fontes que podem lhe fornecer dados dos seus consumidores. Cada vez mais as pessoas se disponibilizam a entregar seus dados em troca de produtos e serviços que lhes são oferecidos.

Você deve trabalhar e analisar esses dados e pensar em como reverter essas informações em benefício da sua empresa.
Imagine que você comece a coletar os dados do Facebook dos seus clientes. Isso pode lhe fornecer informações sobre quem são eles e o que os mesmos estão dizendo a respeito de seus produtos.

A partir dessa informação você pode investir na reprodução de produtos já existentes, corrigir os problemas daqueles que estão recebendo más avaliações e criar novos serviços e produtos de acordo com a demanda que você verificou a partir da extração e da análise destes dados.

Por exemplo, pode ser que seja interessante para você abrir uma nova filial em alguma parte da cidade onde verificou que a demanda do seu produto ou serviço está em alta.

Como compreender os seus dados?

Big data se refere a ferramentas que podem facilmente “traduzir” os conteúdos da grande quantidade de dados existente.

Os dados analisados são provenientes de diversas fontes e podem se dividir tanto em dados estruturados, quanto não estruturados.

A grande dificuldade hoje diz respeito principalmente à análise dos dados não estruturados. Pois sempre envolvem novas e diversas informações.

Para cada um destes grupos de informações existem ferramentas específicas, que, conforme explica Felipe Paiva (2016) são mais adequadas a um e a outro:

Ferramentas SQL

Os bancos de dados relacionais são adequados para dados estruturados e transacionais. O tempo de resposta é curto e eles são aptos a realizar consultas complexas. No entanto, o mesmo pode se tornar difícil de escalar e o esquema fixo pode dificultar a organização e a evolução dos dados.

Exemplos de ferramentas: Oracle, MySQL, PostgreSQL, SQL Server.

Ferramentas NoSQL

São melhores para dados não relacionais. Sua arquitetura sem esquema possibilita a realização de mudanças frequentes. Permite que os dados sejam escalados com maior facilidade e rodam bem em ambientes distribuídos (Felipe Paiva, 2016).

No entanto, se tratam de ferramentas que estão ainda em fase de amadurecimento e possuem uma incompatibilidade em relação ao SQL.

Exemplos: MongoDB, Elastic Seacrh, HBase, CouchBase, etc.

Os especialistas da Revista Forbes (2016) apontam que analisar posts do Facebook e de outras redes sociais é, muitas vezes, mais difícil do que analisar dados de recibos ou de tráfegos da web.

Textos e imagens não estruturadas requerem softwares especiais para que se obtenha o seu significado. E a quantidade tão alta de dados não estruturados torna esse trabalho ainda mais difícil, tornando também necessário que se utilize hardwares especiais para que tais dados possam ser organizados e compreendidos.

As empresas costumam utilizar os dois tipos de dados, estruturados e não estruturados, para construir a sua percepção sobre os clientes.

De qualquer modo você deve ficar atento aos três V’s que caracterizam o big data:

Volume – que diz respeito à quantidade de dados;

Velocidade – que remete à velocidade com que os dados são gerados; e

Variedade – que se refere à diversidade de dados envolvidos.

Quanto maior é a quantidade de dados adequadamente analisada, melhor poderá ser a experiência do consumidor com os produtos e serviços da sua empresa.

Open post
Gestão de Mídias Sociais

Curso de Gestão de Mídias Sociais: Saiba porque entender sobre redes sociais é importante para profissionais de marketing

As redes sociais vêm ganhando cada vez mais espaço nas estratégias digitais de marketing, afinal elas se mostram como uma forma eficiente das marcas comunicarem a mensagem certa para o público-alvo certo. Isso ocorre graças à variedade de ferramentas disponíveis nessas redes para segmentar, testar e mensurar suas ações.

O grande potencial das redes sociais não pode ser ignorado pelos profissionais de marketing. O mercado vem mudando e exigindo que eles se mantenham atualizados nas novas formas de pensar suas estratégias. Por isso, realizar um curso sobre gestão e o monitoramento de mídias sociais vem se tornando obrigatório no mercado de trabalho, uma vez que tornam o profissional mais apto a lidar com plataformas que são indispensáveis na construção da presença digital de empresas.

 

Por que fazer um curso?

Encontrar informações sobre o gerenciamento de redes sociais na internet não é muito difícil, então por que fazer um curso?

A resposta é bem simples. Em um curso, um profissional já qualificado e que já atua na área transmite seu conhecimento de forma mais rápida, informando o que ele já testou e o que funciona ou não. O aprendizado, dessa maneira, se torna mais efetivo. Os professores, em geral, já conhecem as dúvidas frequentes de seus alunos e sabem o tipo de conhecimento e dicas que eles procuram para aplicar no seu dia a dia, além de estarem disponíveis para tirar qualquer outra dúvida pontual que tenham.

Apesar de encontrarmos bastante informações sobre as redes sociais na internet é um trabalho muito árduo fazer a distinção entre conteúdo bom e ruim para o seu aprendizado. E aqueles macetes valiosos que você procura geralmente estão nas entrelinhas. Já um especialista que dedica boa parte do seu tempo explorando essas plataformas consegue entregar esse conhecimento mastigado e explicar o que funciona no mercado de trabalho.

Além do mais, a possibilidade de você ainda fazer contato com os demais alunos, o famoso networking, também é uma vantagem de se engajar em um curso presencial. Estar em contato com demais profissionais que enfrentam a mesmas dificuldades e trocar experiências pode te dar aquele grande insight ou ainda trazer uma futura parceria.

 

O que vou aprender em um curso de gestão de Mídias Sociais?

Em um curso de mídias sociais você entrará em contato com métodos de planejamento, gestão e monitoramento das redes sociais para marcas, aprimorando assim sua estratégia digital.

Saber realizar desde o diagnóstico até sua estratégia é importante para que você tome decisões mais assertivas para sua empresa e para que crie ações que tragam ainda mais resultados.

Além disso, você conhecerá as principais plataformas de redes sociais, entendendo o seu perfil de usuários e quais oportunidades de atuação elas trazem para você. Entre as mais populares estão o Facebook, Linkedin, Instagram e Twitter.

Um dos cursos mais completos você encontra na ESPM. No curso de Gestão e Monitoramento de Mídias Sociais da ESPM, organizado por Sandra Turchi. Com ele você entrará em contato com tudo que precisa saber para se destacar nas redes sociais. O curso conta com palestrantes experts no assunto e fornece um certificado dessa instituição que é referência no mercado.

Quer aprender mais sobre redes sociais? Confira esses artigos, vale a pena a leitura:

Benefícios do monitoramento de redes sociais para sua empresa

Como as redes sociais atuam na gestão de clientes

Papel das redes sociais na aquisição e fidelização de clientes

Fuja do comum: use as redes sociais de nicho para divulgar seu negócio

 

Créditos: Thaís Pastén – Marketing Digitalents

Posts navigation

1 2 3 4 5 22 23 24